top of page

CopenHill: Pista de Esqui em uma usina de reciclagem


Copenhill foi concebido como um híbrido urbano original, combinando sua função principal como uma usina com uma pista de esqui de 400m.


Localizada em Copenhague, Dinamarca, a CopenHill é uma usina que é capaz de transformar 400.000 toneladas de resíduos da cidade em energia limpa. O que o torna extraordinário é que o CopenHill também possui uma pista de esqui em seu telhado.

Este artigo foi originalmente publicado em nossa publicação irmã ArchiExpo e-magazine.

Até muito recentemente, passear pelo centro de Copenhague com seus esquis a reboque teria atraído olhares curiosos; a famosa cidade plana fica a várias horas de distância de populares resorts de montanha do outro lado da fronteira na Suécia. Mas agora a capital dinamarquesa tem sua própria encosta, situada nos locais mais improváveis.

CopenHill foi concebido como um híbrido urbano original, combinando sua função principal como uma usina com um parque, trilha para caminhadas, cafés, a parede de escalada mais alta do mundo e, é claro, uma pista de esqui de 400 m. De acordo com David Zahle, do Bjarke Ingels Group (BIG), o grupo de arquitetura que projetou o CopenHill:

“A instalação se torna parte da cidade e redefine a relação entre produção e recreação,”

No interior, máquinas maciças são dispostas por altura para que o telhado se torne uma colina artificial com uma chaminé metálica em seu pico. Os arquitetos da BIG imaginaram um “metabolício urbano” que transforma o lixo da cidade em sua própria fonte de energia, transformando simbolicamente montanhas de lixo em energia para 100.000 casas sem poluir o meio ambiente.

Aproximadamente metade do espaço de 41.000m2 é dedicado à limpeza da fumaça da queima de 440.000 toneladas de lixo todos os anos.

(Crédito: GRANDE / Crédito: Foto de Laurian Ghinitoiu)

Embora colocar essas instalações no meio de uma cidade pareça contraintuitivo, é essencial maximizar a eficiência, minimizando o desperdício de tempo de transporte e a perda de transmissão de energia. Um compromisso de produzir zero emissões tóxicas foi o principal ponto de partida para projetar um edifício que fica a apenas 200 m de distância das casas vizinhas - e a menos de dois quilômetros do palácio real de Amalienborg.

De longe, o CopenHill parece ser feito de metal, mas uma inspeção mais detalhada revela os tijolos de alumínio empilhados de 3,3×1,2m de sua fachada funcionam como plantadores que formam um jardim vertical que filtra a luz que entra no prédio. Juntamente com um parque de telhado de 10.000 m2 que contém 7.000 arbustos e 300 árvores - cuidadosamente paisagísticas para o delicado microclima a até 85m de altitude - ilumina um bairro distintamente industrial.

O designer Rasmus Astrup, do estúdio de paisagismo SLA, que colaborou com a BIG e outros sete parceiros no projeto, explicou:

“Ele atua como um generoso 'presente verde', formando um ecossistema urbano completamente novo para a cidade.”

Além de fornecer um espaço público agradável, o telhado absorve calor, remove partículas de ar e minimiza o escoamento da água da chuva.

CopenHill é uma declaração de intenções para a ambição de Copenhague de se tornar a primeira capital neutra em carbono do mundo até 2025. E a Dinamarca como nação está no caminho certo: as taxas de reciclagem aumentaram para 69% em 2015, com o lixo doméstico em 46%.


37 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page